CRATAVA TAPIA

FAMILIA DAS CAPPARACEAE

 

FLORES

FRUTAS

 

Nomenclatura e significado: TAPIÁ OU TRAPIÁ vem do tupi guarani e quer dizer “fruta de anta”, pois esse mamífero tem grande predileção por essa fruta. Também chamado de Boloteira, Cabaceira ou Basparí na Bahia.

 

Origem: Aparece na floresta Amazônica, avançando para outras formações florestais como a Caatinga nordestina onde habita principalmente as matas ciliares, o Cerrado, o Pantanal no Brasil, atingindo o chaco da Bolívia e do norte da Argentina. Mais informações no link:

http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2012/index?mode=sv&group=Root_.Angiospermas_&family=Root_.Angiospermas_.Capparaceae_AJUS&genus=&species=&author=&common=&occurs=1&region=&state=&phyto=&endemic=&origin=&vegetation=&last_level=subspecies&listopt=1

 

Características: Arvore elegante, de 4 a 15 m conforme as variações climáticas de cada região. Copa é arredondada ou semelhante a um guarda-chuva, e troncos e galhos esparsos que se estendem na horizontal. O trono é tortuoso, cilíndrico, de 20 a 45 cm de diâmetro, com ritidoma (casca) glabro (sem pelos), áspero, de coloração creme acinzentado, e quando cortada exala cheiro característico de alho. As folhas são alternas, glabras em ambas as faces, membranáceas, trifoliadas (com três folíolos saindo do mesmo ponto), sob pecíolo (haste ou suporte) circular, longo de 5 a 9 cm de comprimento, cuja lamina foliar é presa por peciólulos (hastes secundarias) subsésseis (muito curtas) de 4 a 12 mm de comprimento. A lamina foliar é oval ou oblonga (mais longa que larga) com 5 a 15 cm de comprimento por 2 a 7 cm de largura, com base aguda (termina em ponta) e acuminados (com ponta longa) no ápice. Os folíolos laterais são oblíquos (desiguais em tamanho), e cuneiformes (em forma de cunha) na base. As flores são vistosas, e nascem no ápice dos ramos, reunidas em cachos corimbiformes (cacho em que as flores saem de pontos diferentes da mesma haste ou eixo) de 12 a 18 cm de comprimento, contendo de 15 a 32 flores de 7 cm de diâmetro.

 

Dicas para cultivo: Planta subtropical, muito rústica e pode ser cultivada em todo o Brasil. Suporta temperaturas mínimas de até – 3º C no inverno, perdendo todas que são queimadas pela geada, ou temperaturas máximas de até 38º C. Pode ser cultivada desde o nível do mar até 1.300 m de altitude, preferindo os solos argilosos, ricos em matéria orgânica, na proximidade dos rios, com pH entre 5,5 a 7,2. Também suporta a seca por períodos longos e mantém a folhagem densa e verde por mais de 6 meses, mesmo sem chuva. Começa a frutificar com 4 a 6 anos após o plantio.

 

Mudas: As sementes são de cor creme e achatadas; têm comportamento ortodoxo em relação ao armazenamento, ou seja, podem ser guardadas por mais de 2 anos sem perder a capacidade germinativa. Podem ser semeadas tanto em canteiros como em saquinhos individuais contendo o substrato composto de 40% de matéria orgânica, 30% de areia e 30% de terra de superfície. A germinação se inicia com 30 dias e prolonga-se até por 75 dias após a semeadura. O crescimento das plantas é rápido, atingindo 40 cm aos 6 meses de idade. A planta também pode ser reproduzida por estacas das raízes ou pela retirada de mudas que brotam por estolão das raízes superficiais.

 

Plantando: Plantar no espaçamento de 6 x 6 m na região sudeste onde a arvore cresce menos e 8 x 8 m na região norte ou nordeste onde a planta cresce mais. As covas devem ter 40 cm nas três dimensões e adubada com 8 kg de composto orgânico, 500 g de calcário e 500 g de cinzas, tomando o cuidado de misturar os componentes aos 20 cm da terra da superfície e o preparo das covas deve ser feito 2 meses antes do plantio. A melhor época do plantio é em novembro ou dezembro, sendo necessário fazer apenas uma irrigação de 20 l de água após o plantio, repetindo uma vez por mês.

 

Cultivando: Fazer apenas podas de formação da copa e eliminar os galhos que nascerem na base do tronco. A adubação pode ser feita em setembro, com 10 kg de matéria orgânica, 1 kg de cinza vegetal e 100 gramas de adubo N-P-K 10-10-10 distribuídos numa coroa a 30 cm do tronco com 40 cm de largura e 5 cm de profundidade, tomando o cuidado de incorporar tudo com a terra tirada da coroa.

 

Usos: Frutifica em fevereiro a abril. A polpa pode ser consumida com a ajuda de uma colher, colocando porções na boca e chupando e jogando fora as sementes. Os frutos sem casca podem ser usados para enriquecer sopas de legumes. A Arvore tem magnífica floração e por sua grande produção de frutas, não deve faltar em projetos de reflorestamentos.

 

Voltar para Frutas do Mato ou Voltar para Capparaceae