CAMPOMANESIA HIRSUTA

FAMILIA DAS MYRTACEAS

 

FRUTO VERDE

FRUTOS MADUROS

 

NOMENCLATURA E SIGNIFICADO: Guabiroba-taia do tupi “Fruta de casca amarga” e o termo taia quer dizer “polpa acida” (como limão). Também chamada de Guabiroba peluda, Guabiroba do bosque e Guabiroba Açu da Mata Atlântica.

 

Origem: Espécie muito rara que ocorre no sub-bosque da Mata Atlântica desde o Espírito Santo, Rio de Janeiro e norte de São Paulo. Mais informações no link:

http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2012/index?mode=sv&group=Root_.Angiospermas_&family=Root_.Angiospermas_.Myrtaceae_&genus=Campomanesia&species=&author=&common=&occurs=1&region=&state=&phyto=&endemic=&origin=&vegetation=&last_level=subspecies&listopt=1

 

Características: Arvoreta ramificada, atingindo 1 a 3 m de altura. Tem como principal característica os ramos, folhas, nervuras e frutos hirsuto ou coberto de pelos longos e esbranquiçados. As folhas são papiráceas (como papel), largas até o meio, depois com ápice alongado, medindo 5 a 8 cm de comprimento por 2,1 a 3,7 cm de largura. As flores nascem nas axilas das folhas nos ramos termineis, são protegidas por brácteas (com tipo de folha modificada) hirsutas (pilosas), e contem sépalas verdes persistentes no fruto de 4 a 6 mm de comprimento. As pétalas são brancas e duram poucos dias. Os frutos são bagas achatadas nos pólos cilíndricas nos bordos atingindo 3 a 6 cm de diâmetro, com gosto bem semelhante ao Cambuci (Campomanesia phaea).    

 

Dicas para cultivo: Planta subtropical que pode ser cultivada em qualquer altitude, sendo bem resistente a seca de até 5 meses e a geadas de até – 2 grau, muito embora as folhas fiquem totalmente queimadas, a planta se recupera e brota rapidamente na primavera. Pode ser cultivada em todo o Brasil, em qualquer tipo de solo que drenem bem as águas da chuva ou até solos argilosos, sujeito a inundações na beira de rios. Pode ser plantada a pleno sol ou na sombra de arvores maiores. Também pode ser cultivada em vasos grandes.

 

Mudas: As sementes são de cor creme, pequenas e recalcitrantes (que perdem o poder germinativo rapidamente). Elas germinam facilmente num período de 30 a 40 dias se plantadas em canteiros com substrato rico em matéria orgânica. Quando as plântulas atingirem 10 cm de altura devem ser transplantadas para embalagens individuais. Formar as mudas com sombreamento de 50%. As mudas atingem 25 cm de altura com  8 a 9 meses após a germinação; e a frutificação inicia-se com 1 a 2 anos, dependendo do solo e tratos culturais.

 

Plantando: No pomar planta-se num espaçamento de 3 x 3 m. após o plantio irrigar com 10 l de água por semana nos primeiros 2 meses. As covas devem ter 40 cm nas três dimensões e convém adicionar aos 25 cm da superfície 8 kg de matéria orgânica bem curtida, 500 g de cinzas e 500 g de calcário, misturar tudo e deixar curtir por 2 meses. O plantio deve ser feito em outubro. Para plantar nos vasos use substrato feito com 50% de terra vermelha, 30% de matéria orgânica e 20% de areia saibro de reboco.

 

Cultivando: Fazer apenas podas de formação da copa e eliminar os galhos que nascerem na base do tronco. É uma planta que pode ser moldada e podada a gosto do cultivador. Adubar com composto orgânico, pode ser 3 kg composto orgânico bem curtido + 20 gr de N-P-K 10-10-10 dobrando essa quantia a cada ano até o 3ª ano, depois adubar anualmente com a mesma quantia no inicio da primavera.

 

Usos: Frutifica em maio a julho. Os frutos tem sabor que lembra lembra o Cambuci, porém com acidez igual do limão, ótima para atrair pássaros. Por isso os frutos são melhor aproveitados na forma de sucos refrescantes ou em geléias e sorvetes. Planta rara que corre o perigo de extinção e precisa ser preservada.

 

Voltar para Frutas do Mato ou Voltar para família das Myrtaceas